A origem do Réveillon de Copacabana

O Réveillon de Copacabana foi uma invenção dos praticantes do Candomblé. Desde pelo menos os anos 70, eles iam saudar a chegada do ano novo vestidos de branco, com muitas flores. Vários grupos se reuniam ao longo da praia fazendo suas rezas e danças.

De vez em quando, algum praticante entrava em transe e saia rolando pelo chão, emitindo estranhos grunhidos. No momento culminante, o grupo se encaminhava para o mar cantando hinos muito bonitos. Algumas mulheres entravam na água carregando um barco, provavelmente feito de madeira, que levava flores e outras oferendas.

Ultrapassando a primeira arrebentação das ondas, elas colocavam o barco na água e o empurravam para o fundo. Se o mar levasse o barco embora isso queria dizer que Iemanjá tinha aceito a homenagem e o ano ia ser bom. Se o barco fosse devolvido para a areia era um mau presságio.

Aos poucos, no decorrer dos anos 80, foi aumentando a quantidade de pessoas que iam assistir ao espetáculo.

Tudo num silêncio mágico, que só era interrompido, durante alguns minutos, pela queima de fogos organizada por restaurantes e hotéis. Sem alto-falantes e sem holofotes. Um espetáculo ao mesmo tempo calmo e emocionante.

O ex-prefeito do Rio César Maia estragou tudo em sua primeira gestão, a partir de 1992. Percebendo o potencial de marketing do evento, que já reunia perto de um milhão de pessoas, passou a utilizá-lo como evento da prefeitura, com grandes shows, muita luz e muito barulho.

Fonte: Opinião e Notícias

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s