A Pequena Ermida

Imagem de Marc Ferrez

Igrejinha no promontório do Posto 6 de Copacabana

Quando á fundação da pequena ermida no promontório da antiga praia ou areal de Sacopenopan, bem como, quando e por  ordem de quem, foi a imagem de Nossa Senhora de Copacabana para ali transladada, removida provavelmente do Altar da Igreja da Misericórdia ou quem sabe de Surui, é outra das incógnitas de nossa história.

Como daqueles altares da Igreja da Misericórdia saiu a imagem da santa? Ninguém sabe, ninguém viu, mãos misteriosas, certamente transportaram-na para longe, primeiro, talvez, para as bandas de Surui retornando depois para o Rio de Janeiro para um poético sítio, alvo e calmo,  tranquilo e saudável muito parecido ao seu original na cordilheira Andina, onde o promontório que lhe reservaram pudesse abrigar sob seu manto protetor aqueles raros habitantes de Sacopenopan, pescadores, viajantes da incerteza, que aos pés da Santa Andina depositavam suas esperanças.

E naquela abandona saliência acima do nível das águas, ergueram uma tosca Ermida, modestíssima construção de taipa, ostentando nas suas paredes a pobreza dos seus servos, firmes na vontade de entregar o Areal de Sacopenopan ao patrocínio da Santa Andina que ajudava-os iluminando os seus caminhos, acalmando as ondas bravias, afastando-se das tormenntas, chamando os peixes para os devotos, reunidos na encosta daquelas pedras banhadas pelo Atlântico.

A frágil Ermida, naquele local passaria á história com a indicação simples e piedosa de Igrejnha, cedeu ao tempo, sofrendo a violência dos ventos, castigadas pelas chuvas.

Portanto, no século XVIII, em 1732, a imagem da santa, já se encontrava definitivamente na sua ermida sobre um rochedo no lado sul do imenso areal conhecido por “Sacopã” ou ” Sacopenopan” ou também “Praia das pescarias, numa baía com mar, ilhas, areia e montanhas, formando um anfiteatro natural muito, mas muito, semelhante ao seu original a 3.820 metros de atitudes no lago sagrado dos Incas, o lago Titicaca. Aliás, “Sacopenopan” é uma denominação indígena local, corruptela de Çooco-apê-nupan, que em tupi significa “caminho batido dos Socós”, aves pernaltas da família das garças abundantes nas margens da lagoa Rodrigo de Freitas .

O caminho por terra do Rio para o areal de Sacopenopã, foi descoberto em fins do século XVII e D. Clemente, domo das terras de Botafogo até as proxmidades da Lagoa Rodrigo de Freitas, mandou abriu o ” Caminho de São Clemente” que ia de Botafogo até o Engenho de Nossa Senhora da Cabeça nas proximidades da Lagoa Rodrigo de Freitas.

Com o tempo, a devoção a Nossa Senhora de Copacabana se tornou tão popular entre os cariocas que o antigo nome Sacopenopã cedeu lugar ao novo nome: Nossa Senhora de Copacabana, ou Praia da Igrejinha, ou Praia da Igrejinha de Copacabana ou simplesmente Praia de Copacabana.

Segundo o historiador Vieira Fazenda, a capelinha em 1732, ” caia em ruínas” , confirmando que já existia há vários anos, neste ano é que foram feitos consertos no telhado, paredes e alpendres. Pois, sabe-se pela pastoral do Bispo D. Frei Antônio de Guadalupe, de 02 de setembro de 1732, que a ermida caia em ruínas, sendo que o referido prelado ‘sob pena de interdição, ordenava, dentro do prazo de quatro meses, consertos no telhado, paredes e alpendre”.

Os consertos reclamados foram relaizados com a natural sacríficio dos habitantes daquela zona distante da cidade, na sua mioria homens humildes e subjugados aos desejos dos donos das terras sem cultivo e panoramicamente belas.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s