Arquivo da categoria: Crime ambiental

Mapa de teleférico que ligaria Copacabana à Tijuca é descoberto na Alemanha

Faz cem anos que o bondinho do Pão de Açúcar alçou os ares pela primeira vez, em 27 de outubro de 1912. Feito de madeira e pintado de amarelo, o “camarote carril”, como era chamado, deslizou da Praia Vermelha até o Morro da Urca, levando 577 passageiros no dia da inauguração, depois de pouco mais de três anos de obras e planejamento. No meio da construção, entre a abertura do primeiro trecho, até o Morro da Urca, e a inauguração do segundo, até o Pão de Açúcar, o mapa de outro teleférico — ligando Copacabana à Tijuca — foi elaborado. A data colocada no mapa que passou cem anos guardado numa gaveta é 5 de novembro de 1912.

O teleférico que iria de Copacabana até a Tijuca foi planejado pela empresa alemã Julius Pohlig AG, a mesma chamada pelo engenheiro brasileiro Augusto Ferreira Ramos para construir o bondinho do Pão de Açúcar. O mapa foi encontrado no Arquivo Industrial Renano-Westfaliano (RWWA, na sigla em alemão), em Colônia, na Alemanha, justamente por conta do centenário do bondinho do Pão de Açúcar: funcionários fizeram uma busca para ver se achavam algo interessante para o prefeito de Colônia levar ao Rio na sua próxima visita.

— Dentro do material do bondinho do Pão de Açúcar, achamos um mapa com o título “Situação do projetado teleférico de pessoas”. Quando se diz que algo é “projetado”, significa que existia uma intenção concreta de realizar o projeto — conta Ulrich Soénius, diretor do RWWA. — Nós pensávamos que só podia ser o mapa da construção do bondinho até o Pão de Açúcar. Até que eu reparei que no mapa havia sete paradas e passagem pelo Corcovado.

A Companhia Caminho Aéreo Pão de Açúcar havia solicitado a projeção de mais um teleférico espetacular conectando os mais altos morros cariocas. Desenhado à mão, o mapa mostra a linha detalhada de um teleférico. O caminho tem paradas no Morro da Saudade, no Corcovado e no Morro da Formiga.

— Julius Pohlig, fundador da empresa, era famoso pelo conhecimento na área de transporte teleférico. Ele queria construir bondinhos pela extração de carvão nas minas alemãs. Como ele conseguiu o convite de construir o bondinho do Pão de Açúcar, a gente não sabe, mas, sem dúvida, era uma sensação, o morro já era famoso mundialmente — diz o diretor do RWWA.

Engenheiro diz que projeto seria viável
Por causa de um incêndio no antigo prédio da Julius Pohlig AG, perderam-se documentos como correspondências entre a empresa alemã e a empresa de Augusto Ramos. Por isso faltam informações que expliquem por que o teleférico Copacabana-Tijuca não saiu do papel.

— Talvez o projeto não tenha sido realizado por motivos financeiros — acredita Soénius.

Diretor do Clube de Engenharia, Luiz Carneiro de Oliveira analisou o mapa alemão. Ele nunca tinha ouvido falar sobre o ambicioso projeto.

— O mapa mostra a ligação através de teleférico de Copacabana até a Fábrica das Chitas, perto da Praça Saens Peña. O desenho parece perfeitamente viável em termos de engenharia. Na época em que foi concebido, seria um projeto espetacular, caro e turístico, já que não tem capacidade de transporte de massa. Era para quem quisesse passear vendo a paisagem — afirma Oliveira, que acredita que o projeto teria sido idealizado por Augusto Ramos.

— O trigrama CHR no mapa antigo poderia ser do engenheiro alemão — estima Soénius.

Julius Pohlig fundou sua primeira empresa em 1874. Através de fusões, a empresa de Julius tornou-se mais tarde a companhia Pohlig-Heckel, presente no Brasil desde 1955.

— Em 1903, dez anos antes de terminar as construções do bondinho do Pão de Açúcar, Pohlig já tinha se retirado da empresa, mas com certeza ainda agiu como consultor nas obras do Rio — diz Ulrich Soénius.

Fonte: Blog Pedra do Leme

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em AMBIENTE URBANO, Concessionárias de serviços públicoss, Crime ambiental, Megaeventos, Nossos bairros, Patrimônio público, Plano Diretor

AÇÃO CIVIL PÚBLICA AJUIZADA CONTRA ORLA RIO E MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO

Foto: Cristina Reis

Os quiosqueiros, que foram expulsos dos quiosques da orla marítima em função de não aceitarem os contratos abusivos impostos pela Orla Rio, foram solicitar ao deputado federal Chico Alencar, que fizesse denúncia ao Ministério Público sobre as diversas irregularidade da concessionária Orla Rio e da Prefeitura na administração dos quiosques da orla marítima de nossa cidade.

O Inquérito Civil para apurar o descumprimento reiterado pela concessionária das obrigações decorrentes do Termo de Concessão de Uso 417/99 foi instaurado em 10/11/2010. Neste mês de abril foi proposta a Ação Civil Pública que pede a invalidação do Termo Aditivo nº 61/2010 em que o prefeito Eduardo Paes amplia o objeto da concessão para explorar serviços bancários e instalar 40 terminais de atendimento e serviços de conveniência, prorroga a concessão de uso por mais quatro anos e nove meses e inclui 27 postos de salvamento existentes e localizados na orla marítima.

Nesta ação o promotor deixa claro a transgressão de decisão judicial da 14ª Câmara Cível, em 06/11/2008 e com trânsito em julgado em 28/12/2011, que proíbe propaganda na orla marítima e nos quiosques:

 “Por fim, registre-se que a Lei Orgânica, ao contemplar a regra de que não há direito a propaganda, impõe a interpretação restritiva do § 8º do art. 463, pois o interesse público na preservação do meio ambiente prepondera sobre os interesses particulares do apelante”.

Outra passagem em que evidencia-se o benefício que o prefeito concede a Orla Rio em detrimento do interesse público: “…o Termo Aditivo nº 61/2010 omite-se em fixar prazo para o cumprimento da principal obrigação da concessionária, vale dizer, a instalação dos 309 novos conjuntos de quiosques e sanitários, em substituição dos antigos.

…Ora, é inadmissível previsão contratual tão vaga e imprecisa num contrato administrativo. É igualmente inadmissível que o Município conceda o uso e exploração de bens públicos mediante contraprestação ilíquida como a que consta no Termo Aditivo nº 61/2010.

., parecendo ao Ministério Público que há prova cabal, e não mera verosimilhança, da ilegalidade e lesividade do Termo Aditivo nº 61/2010, que, além de não prever qualquer prazo para implantação dos novos quiosques, amplia indevidamente o objeto licitado e contratado, em afronta as decisões judiciais já definitivas, amplia o prazo de concessão de uso e permite à concessionária a exploração de serviços bancários sem qualquer contrapartida ao Município. Tudo conforme os elementos fartamente recolhidos nos autos do Inquérito Civil nº 2010.0070112.

.Some-se a isso o fato notório de que o Rio de Janeiro em breve sediará grandes eventos esportivos (Copa do Mundo em 2014 e olimpíadas, em 2016), o que impõe a modernização dos quiosques, medida perseguida desde o longínquo ano de 1999.”

.. imediato inicio das obras de todos os quiosques da orla…”

Nossa interpretação é que devemos pedir a anulação ou caducidade do contrato de concessão e não insistir na possibilidade da Orla Rio construir os quiosques, pois ela já demonstrou que não irá fazê-lo, mesmo depois de ter modificado o projeto original, conforme observamos, mas também em razão de decisão da Justiça Federal na Ação Popular nº 2000.51.01.013719-0, que anula o contrato de concessão, só permitindo a construção dos novos quiosques no trecho de Leme – Copacabana.

O Eduardo Paes mantém esta concessão devido ao apoio que esta empresa costuma dar as campanhas eleitorais de diversos vereadores e secretários municipais que desejem se candidatar, fazendo um grande lobby no legislativo, executivo e judiciário. Logo que o prefeito foi eleito conseguimos um audiência através do Movimento Unido dos Camelôs e entregamos uma carta com as denúncias das irregularidades, inadimplências, descumprimento do cronograma de obras, decisão da Justiça Federal e modificação do projeto original, mas o prefeito reafirmou que manteria esta parceria, está tudo registrado no nosso blog: Leilão das Praias

Fonte: Blog Leilão das Praias

4 Comentários

Arquivado em AMBIENTE URBANO, Concessionárias de serviços públicoss, Crime ambiental, Ministério Público, Plano Diretor, Privatização dos espaços públicos, Projeto Urbanístico

Definidos locais do Fifa Fan Fest no Brasil

A Fifa e o Comitê Organizador Local (COL) da Copa de 2014 definiram os 12 locais que receberão edições do Fifa Fan Fest em todo o País. São locações simbólicas nas cidades-sede, onde serão realizados eventos públicos para a transmissão dos jogos, reunindo milhares de torcedores.

Em São Paulo, o Fifa Fan Fest acontecerá no Vale do Anhangabaú, enquanto no Rio de Janeiro, será na Praia de Copacabana. A Praça da Estação será o palco do evento em Belo Horizonte; já em Brasília, o local escolhido foi a Esplanada dos Ministérios.

As outras locações do Fifa Fan Fest são as seguintes: Parque das Exposições (Cuiabá); Parque Barigui (Curitiba); Praia de Iracema (Fortaleza); Memorial Encontro das Águas (Manaus); Praia do Forte (Natal); Largo Glênio Peres (Porto Alegre); Marco Zero (Recife), e Jardim de Alah (Salvador).

Para Thierry Weil, diretor de marketing da Fifa, o Fifa Fan Fest proporciona à Fifa e ao COL uma plataforma para fortalecer a experiência dos torcedores na Copa do Mundo. “Nós estamos muito satisfeitos com o entusiasmo mostrado pelas sedes até agora e estamos ansiosos para realizar, juntos, esse evento espetacular em 2014”, diz.

Já o ex-jogador Ronaldo, membro do Conselho de Administração do COL, acredita que o Fifa Fan Fest representa a parte mais emocionante do futebol e da Copa do Mundo da Fifa, com milhares de torcedores reunidos para assistir a uma partida e comemorar juntos. “Como brasileiros, nós sempre tivemos o hábito de torcer por nossa seleção em grandes festivais populares, em todo o país. Por isso, tenho certeza que será o melhor Fifa Fan Fest de todos os tempos”.

O Fifa Fan Fest foi criado após o sucesso dos eventos públicos de transmissão não oficiais realizados na Coreia, em 2002, e entrou para o calendário oficial da Copa do Mundo na Alemanha, em 2006. Mas seu conceito foi desenvolvido posteriormente, já na Copa do Mundo de 2010, quando, além das sedes sul-africanas, seis locações internacionais sediaram o evento, que reuniu mais de seis milhões de fãs do futebol durante os 31 dias do campeonato mundial.

Deixe um comentário

Arquivado em AMBIENTE URBANO, Crime ambiental, Futebol de praia, Megaeventos, Privatização dos espaços públicos

Quase 900 pessoas são encaminhadas a delegacia no Rio

Foto: Cristina Reis

A cidade do Rio de Janeiro contabilizou, em um mês, 887 pessoas encaminhadas para as delegacias. Motivo: urinar nas ruas da capital fluminense. O número se refere à quantidade de foliões que foram parar nas delegacias desde o primeiro dia dos desfiles dos blocos pré-carnavalescos até a noite de terça-feira (21/2). No carnaval do ano passado, 777 pessoas foram encaminhadas às delegacias pelo mesmo motivo. As informações são do portal Estadão.

O esquema especial de monitoramento e fiscalização montado pela Secretaria Especial da Ordem Pública (Seop) para o carnaval 2012 atuou com 8.600 pessoas entre agentes da guardas municipais. O esquema segue até o próximo domingo (26/2).

A fiscalização percorreu os principais blocos da cidade, no Sambódromo e Terreirão, além de ter realizado o ordenamento de eventos do carnaval em vários pontos da cidade: Cinelândia, Avenida Rio Branco, Lapa, 28 de setembro, Intendente Magalhães, Praça Saens Peña, Largo da Taquara, Largo Verdum e Paquetá.

Agentes da Seop retiraram 36 estruturas (tendas e dois banheiros de madeira) montadas irregularmente em área pública. A fiscalização atuou também na concentração, no trajeto e na dispersão dos principais blocos, fazendo com que cumprissem os horários previstos para melhorar a fluidez dos desfiles e liberar o tráfego após o seu encerramento.

No desfile do tradicional bloco Cordão do Bola Preta, no sábado de carnaval, agentes impediram ainda a realização de dois bailes funks, inclusive com a participação de DJs, que ocorriam na Avenida Rio Branco durante o desfile do bloco.

Foto: Cristina Reis

Deixe um comentário

Arquivado em AMBIENTE URBANO, Carnaval, Crime ambiental, Delegacia Estadual de Segurança, Guarda Municipal, Megaeventos, Ministério Público, Secretaria de Ordem Pública, Subprefeitura da zona sul

U2 em Copacabana

Antes do show deste ano do U2 no Brasil os boatos é que eles fariam um show em Copacabana mas a ideia acabou não vingando. Só que parece que a banda se empolgou com a ideia e está planejando fazer um show diretamente, na véspera da final da Copa do Mundo, de um porta-aviões estacionado perto da praia, barcos e iates teriam autorização para se aproximar e ver o espetáculo e telões devem ser instalados na areia para que todos tenham uma boa visão do grupo.

Não acho que isso vá acontecer, não sou um especialista em navios mas acho que um porta-aviões não pode se aproximar o suficiente da praia de Copacabana sem correr o risco de encalhar e não seria muito divertido ver o show apenas do telão. O mais provável é que instalem o palco na praia, a equipe da banda acredita que teria público recorde e que não seria difícil conseguir patrocínio.

Outra ideia, caso o show no mar não vingue, é instalar um palco de 180º em Copacabana. A equipe de Bono acredita que o público pode ser recorde e que não seria difícil conseguir patrocínio para a apresentação. Claro que não seria, imagine, Copa do Mundo já atrai muita atenção com um mega-show como esse…

Outra notícia dada pela Mônica Bergamo da Folha de São Paulo é que a banda irlandesa está planejando gravar um DVD no Corcovado com participação de brasileiros como Ivete Sangalo e Roberto Carlos. A renda do DVD seria revertido para projetos humanitários. As imagens com certeza iriam ser lindas.

Fonte: Site Diário do Rio

Deixe um comentário

Arquivado em AMBIENTE URBANO, Crime ambiental, Cultura, Megaeventos, Plano Diretor, Privatização dos espaços públicos

Atrações do réveillon da Praia de Copacabana 2012

Réveillon de 2011

Uma das maiores festas de Réveillon do mundo começa a ter suas atrações confirmadas. Pelo menos segundo a coluna “Gente boa”, do Jornal O Globo, três nomes já são dados como certos para a festa da Praia de Copacabana: a sambista Beth Carvalho, os cantores Seu Jorge e Latino.
Além da tradicional queima de fogos que dura mais de 10 minutos, a festa conta com shows espalhados por diversos pontos da praia, onde turistas e cariocas aproveitam a virada do ano tanto na praia quanto das sacadas dos hotéis e navios ancorados próximos.
A RioTur ainda não disponibilizou a programação oficial.
Fonte: Rio Temporada

Deixe um comentário

Arquivado em Crime ambiental, Megaeventos, Réveillon

Fifa Fan Fest terá nova sede no Rio

Foto: Cristina Reis

Fifa Fan Fest, arena criada em diversas cidades do Mundo para que o público possa assistir aos jogos da Copa do Mundo, mudará de lugar no Rio de Janeiro: Deixará de ser na Praia de Copacabana e partirá para a Marquês de Sapucaí, que atualmente está em obras de modernização.

A festa terá capacidade de comportar até 30 mil pessoas e todos poderão assistir a seleção brasileira nos diversos telões que serão instalados no local. Além disso, a prefeitura do Rio estuda a criação de mais outras duas arenas espalhadas pela cidade, já que seremos sede de sete jogos durante o evento.

Como de costume, ao final dos dias acontecerão shows de artistas nacionais para empolgar o público. A previsão para o término das obras na Sapucaí ficou para Dezembro deste ano.

Foto: Cristina Reis

Em tempo: A Associação de Moradores e Amigos dos Postos 2, 3, 4 e 5 de Copacabana, entrou com uma ação civil pública em 14/06/2010 (ICP nº 1141/2010 – Procedimento MPF/PR/RJ nº 1.30.012.000570/2010-56) para que fosse instaurado um inquérito civil público e a adoção das medidas cabível em Lei, quanto, da  ocorrência dos danos ambientais por conta da instalação do empreendimento com a capacidade para 20.000 pessoas nas areias e da construção dos vários alicerces físicos de 5 meses na orla da Praia de Copacabana, organizado pela Federação Internacional de Futebol  – FIFA.

Foto: Cristina Reis

Deixe um comentário

Arquivado em AMBIENTE URBANO, Copa Mundial 2014 e Jogos Olímpicos 2016, Crime ambiental, Megaeventos, Plano Diretor, Privatização dos espaços públicos

MPRJ denuncia Usiminas por apresentar relatório irregular de auditoria ambiental na TKCSA | Portal EcoDebate

MPRJ denuncia Usiminas por apresentar relatório irregular de auditoria ambiental na TKCSA | Portal EcoDebate.

Deixe um comentário

Arquivado em AMBIENTE URBANO, Crime ambiental, Nossos bairros

Construção de um estádio no Leme

Estádio no Leme

Será erguido nas areias da praia de Copacabana, uma arena para sediar os jogos do vôlei de praia nas Olimpíadas 2016. Será uma estrutura provisória que atenderá os requisitos da modalidade olímpica e receberá cerca de 12 mil espectadores. O custo previsto é de R$21,56 milhões.

Fonte: Portal da Transparência

Deixe um comentário

Arquivado em AMBIENTE URBANO, Copa Mundial 2014 e Jogos Olímpicos 2016, Crime ambiental, Futebol de praia, Megaeventos

Forte de Copacabana nos Jogos Olímpicos de 2016

Forte Copacabana

O histórico Forte de Copacabana sediará a largada e a chegada de esportes aquáticos como maratona aquática e o triatlo. O custo das instalações está estimado em R$19,47 milhões.

As instalações provisórias são as arquibancadas para 5 mil pessoas. O forte deve ganhar um píer e a praia postos de atendimento emergencial depois das competições.

Deixe um comentário

Arquivado em AMBIENTE URBANO, Copa Mundial 2014 e Jogos Olímpicos 2016, Crime ambiental, Megaeventos