Arquivo da categoria: Rio + 20

Orla carioca é palco de branding

  • Itaú Unibanco patrocina projeto Bike Rio, que prevê instalação de 60 estações com bicicletas na cidade: mobilidade urbana na pauta da instituição Crédito: André Valentim

O mar, a areia branca e o belíssimo calçadão de pedras portuguesas projetado por Burle Marx não são mais as únicas atrações da orla de Copacabana. Com a reforma dos quiosques da praia, promovida pelo projeto Orla Rio, marcas relevantes do mercado nacional estão usando esses espaços para ações de branding. Coca-Cola, Skol, Globo Rio, Band, Banco do Brasil, Rio Sul e Editora Três estão entre as empresas que contam com espaços diferenciados na praia mais famosa do Brasil.

Para algumas dessas marcas, adotar um quiosque na badalada orla de Copacabana traz uma exposição de marca e um espaço de experimentação diferenciados. “Além de ser um espaço de mídia fantástico. A Skol se criou no Rio e começou pela praia, com a cerveja em lata. É um ícone, como o mate e o biscoito Globo. Hoje tenho mais de 300 quiosques na praia com o produto Skol e 150 com visibilidade, mas não tinha nenhum com a cara da Skol. Este é um investimento para transmitir a personalidade da marca, por meio de um ponto de consumo que é quiosque de Copacabana”, explica Felipe Ghiotto, gerente de Skol 360, marca proprietária do espaço em Copacabana.

A orla de Copacabana também atraiu emissoras de TV. A Band, a primeira a ter um quiosque temático no calçadão de pedras portuguesas, montou o espaço para abrigar uma iniciativa que se destaca: Orla TV. Fruto de uma parceria com a Orla Rio, é um canal que é veiculado em 110 quiosques de praias do litoral. “A Band nos procurou interessada no potencial que enxergava em nosso empreendimento. Após diversas conversas foi então firmada a sociedade de nossas empresas neste segmento, na qual a Band se ocupa do conteúdo, das transmissões e da comercialização dos espaços publicitários, enquanto nós operacionalizamos a estrutura junto aos nossos quiosques”, informa Antônio Luís Abreu, vice-presidente da Orla Rio.

Presença da Band em Copacabana é fruto de parceria com a Orla Rio: emissora é responsável por um canal de TV veículado nos points da praia Crédito: André Valentim

O sistema de transmissão do canal de televisão da orla fica instalado justamente no subsolo do quiosque da Band, um espaço de 160 metros quadrados que conta com estúdio e escritório; na superfície, existe um bar onde são comercializados acepipes tipicamente cariocas, como bolinhos dos bares Bracarense e Aconchego Carioca.

“A ideia foi fazer um canal de televisão interno no qual passasse tudo relativo a esportes de areia e trouxesse informações como temperatura da água e previsão do tempo. Fornecemos o aparelho de TV e uma programação integrada que é feita especialmente para a Orla TV e com atrações que a gente reembala. Claro que, quando temos grandes produções esportivas, entramos em rede com a Band, assim como em alguns telejornais”, explica Daruiz Paranhos, diretor-geral do Grupo Bandeirantes no Rio. Para ele, a Orla TV possibilita um espaço comercial privilegiado. “Temos como colocar lá o último comercial de um ano e o primeiro do ano seguinte, em todas as TVs ao mesmo tempo”, fala. Ele acrescenta que, com a chegada dos grandes eventos, a ideia é que a Orla TV seja o veículo oficial da praia. De acordo com Orla Rio, mais de 450 mil pessoas têm contato com a Orla TV a cada dia.

No Quiosque Coca-Cola, a ideia foi montar um espaço onde os consumidores têm a experiência de tomar o produto na temperatura e no copo ideaisCrédito: André Valentim

Além da Band, a Globo Rio montou seu espaço, como ponto de contato com seus telespectadores. Copacabana foi escolhida por ser uma espécie de vitrine do Rio de Janeiro. “A Globo Rio tem como proposta criar oportunidades de convivência comunitária e aproximar a marca da emissora do público. A partir do quiosque de Copacabana foi possível ativar esta estratégia de ação”, informa a emissora por meio da Central Globo de Comunicação.

O retorno do espaço está sendo acima do esperado. Segundo a emissora, cerca de dez mil pessoas passam pelo quiosque Globo Rio todos os meses. “Mas o número não é o mais importante. Semanalmente, o quiosque serve de palco para eventos culturais e esportivos da própria Globo Rio e de parceiros. O público já sabe que existe um espaço físico em que ele se relaciona com os conteúdos da Globo. Além disso, o quiosque é um ponto utilizado pelo jornalismo da Rede Globo, com entradas ao vivo direto de lá”, aponta.

O quiosque da Globo Rio conta ainda com um espaço da Globo Marcas, onde são comercializados produtos relacionados à grade de programação da emissora. “Como a venda de produtos é uma exigência da concessão do espaço, a missão da Globo Marcas de fortalecer o relacionamento dos telespectadores com o universo da televisão se encaixou perfeitamente no conceito do quiosque. Além de uma grande variedade de artigos licenciados, o público encontra nesse espaço produtos específicos para venda no quiosque, como acessórios para praia, por exemplo”, acrescenta. O projeto do quiosque da Globo Rio é recente, mas, como tem se mostrado uma excelente ferramenta na aproximação da emissora com o público, a Globo avalia a experiência para eventual­ replicação em outras praças no futuro.

Point
A Nextel também terá o seu espaço na orla de Copacabana, que será inaugurado em outubro. Ele será o terceiro Point Nextel da marca no Rio, a primeira a ter um quiosque de experimentação na orla da praia vizinha, Ipanema, onde os quiosques ainda não foram reformados. O espaço ali foi inaugurado em setembro, em local nobre, logo na chegada da praia de Ipanema em frente a um badalado bar da orla. Foi a segunda ação de branding da marca em um quiosque da orla do Rio; a primeira, na Barra, também é diferenciada entre os outros quiosques daquele pedaço.

“O quiosque de Copacabana está atrelado a um projeto que temos com o Rio de Janeiro e nasceu na Barra da Tijuca, onde montamos nosso primeiro Point Nextel”, conta Alex Rocco, diretor de comunicação da marca. Ele acrescenta que a ideia é levar para a orla um pacote que tem experimentação e infraestrutura. “A cidade do Rio é muito importante para a Nextel e a marca é muito forte na cidade. Resolvemos implantar o projeto Rio Nextel, no qual criamos uma plataforma que inclui esporte, cultura e lazer para cidade do Rio e para o relacionamento com nossa base de clientes”, fala.

As atividades oferecidas em cada espaço são escolhidas de acordo com o perfil da praia em que estão instalados. “Em cada point a gente se insere no contexto do estilo de vida do carioca. Na Barra, levamos equipamentos relacionados ao mar, já que é um point forte de Kite surf e SUP. Ipanema tem um estilo de vida do carioca mais relacionado ao calçadão e à a rua interditada no fim de semana. Levamos skates, patins, skyline”, conta. Os espaços fornecem aulas de ioga e corrida, por exemplo, para clientes Nextel.

Ele acrescenta que há a preocupação de que cada um destes espaços se insira no contexto do carioca. “Queremos fazer parte realmente, adotar e ser adotado, é muito mais do que uma questão de visibilidade de marca”, conclui.

2 Comentários

Arquivado em Alimentação não saudável, AMBIENTE URBANO, Concessionárias de serviços públicoss, Doenças hospitalares, Material câncerigeno, Patrimônio Cultural, Patrimônio público, Plano Diretor, Privatização dos espaços públicos, Projeto Urbanístico, Resíduos sólidos, Rio + 20, Secretaria de Ordem Pública

Favela cenográfica é montada em Copacabana

Uma favela cenográfica foi montada na manhã deste sábado (16) nas areias da Praia de Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro, como uma forma de chamar a atenção dos participantes da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) para os problemas sociais do mundo. Os três barracos de madeira, montados pela organização não governamental Rio de Paz, retratam favelas cariocas como Manguinhos, na zona norte da cidade.

“Estamos aproveitando a ocasião para apresentar uma reivindicação aos chefes de Estado que estarão no Rio de Janeiro na próxima semana: que a coisa não fique só na retórica. O momento não é mais de interpretar o mundo, mas de transformá-lo. Precisamos de metas mensuráveis”, disse o presidente da Rio de Paz, Antônio Carlos Costa.

A moradora de Manguinhos Suzana Cristina Barreto participou da encenação e interpretou um papel que ela já vive na realidade: o de moradora de uma favela cheia de problemas.

“Como tem muito estrangeiro na cidade, a gente estava querendo pedir melhorias para as comunidades, porque elas precisam de urbanização nas ruas. É muita rua com esgoto para fora. As crianças brincam no esgoto. Dentro das comunidades, ainda existem muitos barracos”, ressaltou.

Segundo Antonio Carlos Costa, a ideia é manter a favela cenográfica montada em Copacabana até hoje (17).

Vitor Abdala, da Agência Brasil

Deixe um comentário

Arquivado em AMBIENTE URBANO, Casas sustentáveis, Habitação, Rio + 20

Hoteis ameaçam barrar até presidentes na Rio+20

Tensão no setor hoteleiro com a Conferência Rio + 20, na chegada das comitivas internacionais à cidade. As redes Sofitel e Othon, com hotéis cinco estrelas, avisaram ao governo que podem proibir check in até de chefes de Estado se o Itamaraty não confirmar os pagamentos das reservas pela Terramar Viagens e Turismo, a agência que venceu a licitação. E, não bastasse a falta de leitos, a Terramar cancelou ontem 120 quartos no luxuoso Windsor Barra, que seriam ocupados por comitiva de Brasília.

Hoteis não se entendem com empresa que venceu a licitação para organizar as reservas das autoridades para a Rio+20

Beliche
O Itamaraty foi acionado pelos gerentes para garantir hospedagens. Enquanto há vagas agora no Windsor, chefes parlamentares se amontoam em hotéis três estrelas.

Desafinou
A Terramar, que venceu licitação do Itamaraty, é criticada por agências de porte internacional: seu maior evento foi realizar um cruzeiro com show de Agnaldo Rayol.

Tu-tu-tu
A coluna entrou em contato com a Terramar em São Paulo. Recebeu telefones da assessoria no Rio que não atendem e dão caixa postal cheia.

Chilique
Os presidentes das grandes redes de hotel que vão hospedar as comitivas da Rio+20 estão pasmos com a ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann. Dizem que ela deu socos na mesa e foi dura na reunião do dia 14 de maio em Brasília, onde cobrou baixa das tarifas abusivas. Só que, segundo eles, o ágio era da Terramar, que inflou as diárias em até 33%.

Epa, epa
Da reunião, convocada pela ministra, participaram também o presidente da Embratur, Flávio Dino, e o advogado-geral da União, Luís Adams. Os gerentes não entenderam o porquê de o governo pedir o CPF de cada um deles.

Leandro Mazzini é jornalista e escritor, pós-graduando em Ciência Política pela UnB. Passou por Jornal do Brasil, Agência Rio, Correio do Brasil, Gazeta Mercantil e Coluna CH. No Rio, cobriu a política fluminense de 1998 a 2007, quando se mudou para Brasília, onde assinou oInforme JB de 2007 a 2011. É apresentador dos programas de debates políticos Tribuna Independente (terças) e Frente a Frente (seg,qua,sex) na REDEVIDA de Televisão, em rede.

Deixe um comentário

Arquivado em Hotelaria, Rio + 20

Bares do Pavão-Pavãozinho e do Cantagalo vão vender pratos sofisticados durante a Rio+20

Rio de Janeiro – A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, programada para junho, no Rio de Janeiro, será também uma oportunidade para os turistas conhecerem pratos sofisticados, porém com ingredientes genuinamente brasileiros e preços reduzidos. A comida será preparada por moradores das comunidades Pavão-Pavãozinho e Cantagalo, localizadas em Ipanema e Copacabana, zona sul da cidade.

A programação começará no dia 13 de junho e se estenderá até o final da Rio+20, no dia 22. O organizador é o professor de Varejo da Fundação Getulio Vargas Daniel Plá. Dez pequenos bares (biroscas) dos morros estão sendo preparados por quatro chefes de cozinha de restaurantes do Rio para oferecer aos visitantes estrangeiros pratos com toques nacionais, como uma paella carioca, que leva até feijão, ou o ravióli recheado de rabada.

As vendas foram “escolhidas a dedo”, em função de sua localização e, também, da qualidade dos serviços prestados, disse Daniel Plá à Agência Brasil. Durante todos os dias da Rio+20, elas oferecerão os pratos diferenciados aos visitantes.

“Cada um dos birosqueiros vai aprender dez frases em inglês. Os pratos serão oferecidos aos turistas a R$ 45, com apresentação de pratos de restaurantes cinco estrelas. Será cobrado um preço especial para quem mora na comunidade. Isso já está combinado”, explicou. O cardápio para os turistas inclui, além do prato principal, o serviço e uma dose de caipirinha.

Os pequenos bares dos morros sempre chamaram a atenção do professor pela criatividade, alegria e música que a maioria deles oferece. “É um mundo à parte. É como se tivesse uma cidade do interior do Brasil no miolo de Ipanema e Copacabana”, disse. Segundo o professor da FGV, o momento é bom para mostrar que “se for bem trabalhada na questão do turismo, a favela se autossustenta”.

O projeto tem a finalidade de fazer com que a comunidade do morro ganhe dinheiro com a Rio+20 e não apenas as agências de turismo, disse Daniel Plá. A expectativa é que, com a conferência, as dez vendas faturem em torno de R$ 6 mil cada. “O dinheiro vai direto para os birosqueiros envolvidos e os quatro guias turísticos, todos jovens das comunidades, dois dos quais falam inglês com fluência”.

Edição: Talita Cavalcante

Alana Gandra, repórter da Agência Brasil

Deixe um comentário

Arquivado em Agenda 21, Alimentação saudável, Comunidade popular, Rio + 20

Hospedagem domiciliar ganha espaço no Rio, ante a falta de vagas em hoteis para a Rio+20

Ante a falta de infraestrutura hoteleira para abrigar as cerca de 50 mil pessoas esperadas para a Rio+20, a hospedagem domiciliar ganha força na cidade. Aproveitando a demanda não atendida pela rede convencional, moradores já estão alugando quartos e apartamentos para os turistas. Enquanto isso, a prefeitura promete lançar um site neste mês para auxiliar quem queira receber os “ecovisitantes” ou se hospedar no Rio.

Depois de o prefeito Eduardo Paes pedir à população para receber solidariamente os visitantes, a Secretaria de Turismo (Riotur) anunciou a criação da página na internet para quem quer alugar vagas. O lançamento está previsto para a próxima semana e a expectativa é que o portal sirva para outras ocasiões, como a Jornada Mundial da Juventude, evento da Igreja Católica programado para 2013.

O setor privado, entretanto, antecipou-se à iniciativa municipal. Desde que a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH-RJ) anunciou que os 33 mil quartos disponíveis na cidade, incluindo albergues e motéis, não seriam suficientes para atender aos participantes da conferência (a taxa de ocupação já é de 95% para o período entre 13 e 22 de junho), sites de hospedagem domiciliar começaram a ser criados, facilitando a negociação entre os donos e os turistas.

Lançado em março, o site Rio Plus 20, dedicado à Rio+20, já tem cerca de 500 imóveis cadastrados, dos quais mais de 30% estão alugados. As diárias variam entre R$ 90 para quartos e R$ 3.000 para apartamentos, atraindo, principalmente, embaixadas e delegações de outros países, segundo o empresário responsável, Eduardo Serrado.

Pensando na conferência, o portal Rio Home Stay unificou recentemente sites de aluguel que oferecem cerca de 200 quartos no esquema cama e café – o anfitrião não precisa sair de casa e costuma oferecer café da manhã aos hóspedes. As diárias variam entre R$ 130 e R$ 250, e, de acordo com o administrador, Carlos Cerqueira, 75% das vagas já estão ocupadas, sendo 80% por estrangeiros.

De olho em outros eventos internacionais, como a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016, Carlos Cerqueira, apostando no cadastro de imóveis, lançará um novo portal de hospedagem na próxima semana. “Pretendemos dobrar o número de vagas até meados do maio com o novo portal, que dará mais facilidade para o anfitrião incluir e administrar as reservas”, disse.

Acostumada a receber hóspedes desconhecidos sem precisar sair de casa, a jornalista Fabiana Cimieri quer alugar o apartamento em Ipanema, na zona sul, para a Rio+20. Ela costuma contar com a ajuda de corretores, mas desta vez não descarta incluir o imóvel em um site especializado, entre eles o portal dedicado da prefeitura do Rio, que deve ser lançado em breve.

“Gostaria de me cadastrar na Riotur e continuar com os corretores. Nunca tive nenhum problema em alugar. Sempre foi uma experiência agradável e rentável”, disse. “Quando chega uma pessoa na sua casa querendo conhecer e conversar sobre a cidade, dá um clima de férias, quebra a rotina”, disse a jornalista, que ainda não sabe quanto vai cobrar. “Dependerá da demanda”.

Isabela Vieira da Agência Brasil

Deixe um comentário

Arquivado em Rio + 20

Movimentos sociais farão marcha de protesto na abertura da Rio+20

Uma marcha de protesto tomará as ruas do Rio no dia 20 de junho deste ano, quando será aberta oficialmente a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20.

“Existe uma proposta inicial de a gente ir até o Forte de Copacabana encontrar os empresários”, disse à Agência Brasil o ambientalista Carlos Henrique Painel, membro do Comitê Facilitador da Sociedade Civil para a Rio+20 e coordenador do Fórum Brasileiro de Organizações Não Governamentais e Movimentos Sociais (Fboms).

A marcha integra o Dia de Ação Global, que inclui várias atividades a serem empreendidas no mundo inteiro por organizações da sociedade civil que não poderão estar presentes à Cúpula dos Povos – evento paralelo à Rio+20, que ocorrerá no período de 15 a 23 de junho, no Aterro do Flamengo.

“Haverá atividades nos Estados Unidos, na América Latina, na Europa, e a gente espera que na África também. É um Dia de Ação Global”, reforçou Carlos Painel.

Serão convidados para participar da marcha de protesto representantes de movimentos internacionais, como a Primavera Árabe; os Indignados, da Espanha; o Occupy, dos Estados Unidos; o dos estudantes, do Chile. “Todos eles vão estar aqui”.

Painel informou que, a exemplo do que ocorreu na reunião anual da Convenção-Quadro sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC, na sigla em inglês), em Durban, na África do Sul, em 2011, será promovida uma visita guiada aos participantes da Cúpula dos Povos, denominada toxic tour (passeio tóxico).

“Em vez de levar ao Corcovado, a gente quer levá-los a empreendimentos que não correspondem a uma nova ordem, em uma economia de baixo carbono”, explicou o ambientalista. Ele citou, entre esses empreendimentos, o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) e a Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA). As visitas, entretanto, ainda não foram agendadas.

O representante da Via Campesina e do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no Comitê Facilitador da Sociedade Civil para a Rio+20, Marcelo Durão, lembrou que o primeiro dia de mobilização global da sociedade civil, em 20 de junho, será um contraponto à conferência oficial da ONU. “Haverá indignações, vozes”, disse Durão. Ele mostrou-se contrário, entretanto, à divulgação das empresas que serão visitadas no toxic tour, porque isso “cria tensão e expectativa na outra ponta”.

Alna Gandra – Agência Brasil

3 Comentários

Arquivado em Agenda 21, Rio + 20

Nature Capitale chega ao Brasil em junho

A orla da praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, receberá entre 16 e 17 de junho o Nature Capitale, um dos maiores eventos de arte ambiental do mundo. O evento, que chega ao País pelas mãos da Nature Capitale Brasil, sociedade entre a Playcorp e a Nature Capitale Internacionale, ocorrerá durante a semana do Rio+20 e da C40.

Com investimentos previstos da ordem de R$ 9,5 milhões, a iniciativa unirá milhares de canteiros de plantas e árvores brasileiras por cerca de um quilômetro da Avenida Atlântica. O plano comercial prevê 16 cotas (duas máster, no valor de R$ 1,6 milhão; quatro premium, de R$ 890 mil; e dez de expositor, no valor de R$ 490 mil).

Projeção da organização de como ficará a Avenida Atlântica Crédito: Divulgação/Nature Capitale: um evento de Gad Weil

A expectativa da organização é receber 2 milhões de visitantes. Idealizado pelo artista de rua Gad Weil, o Nature Capitale foi realizado pela primeira vez em Paris, há dois anos, e teve uma edição em Lyon, no ano passado. No Brasil, conta ainda com o apoio oficial do Rio+20, da Empresa de Turismo do Município do Rio de Janeiro (Riotur), da Prefeitura do Rio de Janeiro e o incentivo da Lei Rouanet.

Fonte: Meio &  Mensagem

Deixe um comentário

Arquivado em AMBIENTE URBANO, Cidades sustentáveis, Megaeventos, Rio + 20

Associação de Hotéis garante hospedagens para Rio+20

A dois meses e meio da Rio+20, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, quase 12 mil quartos da hotelaria carioca estão não só reservados como contratados pelo Comitê Nacional de Organização (CNO), resultado que inclui os 70% da oferta nos empreendimentos 5 e 4 estrelas, de acordo com dados da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Estado do Rio de Janeiro (ABIH-RJ). Os números aliviam a preocupação de que não poderia haver quartos disponíveis para os dois encontros.

“O Rio de Janeiro é um destino turístico de interesse mundial, o que leva a uma circulação turística ao longo do ano todo e não é possível, durante a Rio+20, desprezarmos esse público em viagens de lazer previamente programadas para o mesmo período. Assim como não é viável renunciar a todos os contratos corporativos que atraem, mensalmente, milhares de empresários e executivos à capital fluminense em função do desenvolvimento e fortalecimento de nossa economia”, disse o Presidente da ABIH-RJ, Alfredo Lopes.

Diante das reservas confirmadas, a ABIH-RJ prevê uma ocupação próxima a 95% no período da conferência, sendo 80% dos bloqueios relacionados ao Itamaraty. Muitos eventos previamente agendados no Rio foram realocados em função da mudança de data da conferência mundial de meio ambiente, alguns deles, inclusive, migraram para outros países. Segundo Lopes, a hotelaria vem realizando esforços para liberar o máximo possível de quartos para a acomodação confortável dos participantes da Rio+20.

“Sabemos que a Rio+20 precede outros relevantes eventos mundiais, como a Jornada Mundial da Juventude e a Copa das Confederações já em 2013, a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016. Conscientes dessa demanda crescente, a indústria hoteleira vem investindo não apenas em novos empreendimentos como, também, em renovações e ampliações dos hotéis já instalados, atraindo, inclusive, importantes redes internacionais para a nossa cidade que, passo a passo, retoma o direito de ser reconhecida como ‘maravilhosa'”.

Até 2016, entrarão em operação aproximadamente 10 mil novas unidades de hospedagem. A associação estima ainda que cerca de 36 novos hotéis serão construídos no Estado do Rio de Janeiro até as Olimpíadas, sendo 17 deles somente na capital, com previsão de conclusão até 2014. Em 2011, 500 novos quartos entraram em operação. Para 2012, a previsão, segundo a Secretaria de Urbanismo do Município do Rio, é de que 5.800 mil novos quartos comecem a ser construídos. Vale lembrar os “esqueletos” que foram licitados e igualmente entrarão em operação nos próximos anos, como o Hotel Nacional, Paineiras e São Conrado Tourist, somando quase dois mil quartos.

“A indústria hoteleira está empenhada não somente em ampliar os investimentos na construção de hotéis, como garantir a sustentabilidade do setor em todos os níveis. Para crescer a oferta de hospedagem, o primeiro passo é investir em pessoas, já que nossa atividade está apoiada na excelência dos serviços que prestamos. Destacamos, ainda, o comprometimento e parceria com os três níveis governamentais – federal, estadual e municipal – envolvidos na organização da Rio+20, em um empenho conjunto para que o Rio de Janeiro e o Brasil apresentem a melhor estrutura de receptivo que está ao nosso alcance oferecer”, disse Lopes.

Portal SRZD

Deixe um comentário

Arquivado em Copa Mundial 2014 e Jogos Olímpicos 2016, Hotelaria, Rio + 20

Plantio de árvores em Copacabana deve neutralizar carbono do Réveillon

A Riotur iniciou na semana passada, por meio de uma ONG Instituto Terra de Preservação Ambiental, o plantio de 1.411 mudas de árvores nativas da Mata Atlântica, reunindo mais de 20 espécies, no município de Miguel Pereira.  O plantio das mudas visa a neutralizar o carbono emitido durante o réveillon do Rio de Janeiro, na virada de 2011 para 2012.

O secretário municipal de Turismo, Antonio Pedro Figueira de Mello, destacou que o réveillon do Rio foi um grande exemplo de como produzir eventos “de forma inteligente e sustentável”. Ele espera que, com a proximidade da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, que ocorrerá em junho, os eventos fiquem cada vez mais comprometidos com o meio ambiente.

As 1.411 mudas correspondem à neutralização de 260 quilos de gás carbônico gerados na produção do réveillon de Copacabana, informou o ambientalista Roberto Vamos. Para chegar às 1.411 mudas, ele calculou a quantidade total de combustível gasto em todas as operações de montagem e desmontagem das estruturas, nos geradores de energia e, também, nas barcas que levaram os fogos à Praia de Copacabana.

Segundo Roberto Vamos, o projeto de reflorestamento que vem sendo implementado pela ONG Instituto Terra de Preservação Ambiental foi determinante para a escolha do município de Miguel Pereira para o plantio, como forma de neutralizar as emissões de gases da produção do réveillon. “O projeto é feito na bacia do Rio Guandu. Então, o benefício que vai ter não é só para a população de Miguel Pereira. Vai ser para a cidade do Rio de Janeiro também, porque a gente vai estar preservando os mananciais de água que abastecem o rio”.

O ambientalista ressaltou que a ideia é fazer a neutralização de carbono emitido em todos os eventos privados e públicos que ocorram na capital fluminense. “Acho que cada vez mais vai haver agora essa demanda, não só por parte de produtores privados, como também por parte de eventos dos governos, como a Copa do Mundo e as Olimpíadas”. A neutralização de carbono deverá ser posta em prática também na Rio+20. “Pense só no fato de que estão sendo esperadas entre 40 mil e 50 mil pessoas no Rio de Janeiro”, destacou ele.

Roberto Vamos sugeriu, contudo, que a neutralização de gases emitidos individualmente deve ser responsabilidade de cada cidadão. Ele indicou que algumas ONGs, como a Fundação SOS Mata Atlântica, dispõem de ferramentas por meio das quais as pessoas podem “comprar” árvores virtualmente, visando ao seu plantio em vários locais do país.

Deixe um comentário

Arquivado em Agenda 21, AMBIENTE URBANO, Cidades sustentáveis, Ideia sustentável, Megaeventos, Réveillon, Rio + 20

Bono Vox vai cantar de graça na praia de Copacabana

Bono Vox (Foto: Reuters)

Bono Vox vai cantar de graça na praia de Copacabana. A informação é da coluna de Leo Dias, do jornal o Dia. Segundo a publicação, o líder do U2 é um dos principais convidados da ‘Rio + 20 – Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável’, que vai acontecer na cidade no meio do ano. Bono vai se apresentar no dia 24 de junho.

Além do show gratuito na Praia de Copacabana da Copa do Mundo em 2014, o U2 também planeja gravar um DVD no Corcovado na mesma época. Segundo a coluna de Mônica Bergamo, publicada no jornal “Folha de São Paulo, a idéia é convidar parceiros para cantar com a banda. A renda seria revertida para projetos humanitários do mundo todo. Entre os brasileiros que Bono Voz quer convidar estariam Ivete Sangalo, que ele adora, e o Roberto Carlos.

2 Comentários

Arquivado em Megaeventos, Privatização dos espaços públicos, Rio + 20